Close

14 de outubro de 2015

Nosso momento difícil – Tatá Vianna

image1

“Falar de crise é promovê-la e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhemos duro e acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la.”

                                                                                                     (Albert Einstein)

 

Quem já perdeu emprego ou conhece alguém que passou ou esteja passando por essa situação?

Ficar desempregado é sempre uma situação difícil: de uma hora para outra, sua vida muda radicalmente e você se vê sem os compromissos profissionais, sem rotina e sem a sua principal fonte de renda.

Mas, se adotarmos a ótica do copo “meio cheio”, essa situação pode ser transformada em um momento de renovação, de aprendizado, de mudança de carreira, de reinventar-se.

A demissão, apesar de parecer à primeira vista uma tragédia, pode ser vista como o “chacoalhão” necessário para nos tirar da zona de conforto. Ela pode nos dar a oportunidade de fazer uma análise mais profunda sobre a nossa vida profissional e (por que não?), da nossa vida pessoal.

Quando fui demitida da empresa para a qual trabalhava, fiquei desesperada durante algum tempo. Mesmo sabendo que aquilo era quase certo, pois a empresa já vinha anunciando o encerramento de suas atividades.  Mesmo assim, minha reação foi igual à de todos que passam ou passaram por isso: “E agora, o que vou fazer?”, “O mercado está tão complicado!”

Por um tempo, eu fiz o óbvio: comecei desesperadamente a procurar um novo emprego, no mesmo segmento de mercado que eu atuava.  Entretanto, todas as empresas que recebiam meu currículo informavam que, ao invés de contratar, eles estavam demitindo. Ansiosa, ligava para os meus contatos e colegas de mercado, mas a maioria me dizia que (também!) estava desempregada. Ou seja: não era só eu que lutava para enxergar uma luz no fim do túnel!

image3

Como eu não podia mudar a situação na qual me encontrava, tive que ter humildade para reconhecer minhas limitações e pedir ajuda. Por isso, resolvi seguir bons conselhos: estudar coisas diferentes e fazer uma análise para me conhecer melhor com ajuda de uma profissional.

Estas pequenas atitudes me ajudaram muito!

Uma das primeiras perguntas da analista foi: “Qual atividade te faz verdadeiramente feliz?” Uma pergunta relativamente simples, mas que quando tentamos responder de uma forma mais profunda e sincera, percebemos que nem sempre conseguimos uma resposta satisfatória ou minimamente verdadeira.

A resposta a essa pergunta é essencial.

Afinal, quantas pessoas que, uma vez empregadas, possuem a coragem de largar a estabilidade e a segurança de um salário para seguir o seu sonho? Creio que, somente em face da dificuldade, as reais questões (e respostas) venham à tona!

Conheço pessoas que, ao se depararem com o desemprego, se arriscaram em novas atividades, aquelas que tinham mais afinidade com o seu “jeitão” de ser. Resultado: aproveitaram a crise para reavaliar o seu papel no mundo e, de fato, deram a volta por cima. O início foi sofrido, como naturalmente é de se esperar. Pensaram em desistir porque a falta do dinheiro falou mais alto no início. Foram persistentes e hoje estão começando a colher os frutos da sua decisão.

Um exemplo é uma amiga minha da época da faculdade: o sonho dela sempre foi a culinária (em especial doces!). Mas ela tinha receio de largar o emprego “estável” na área de hotelaria, para abrir seu próprio negócio. Com a crise, ela foi demitida e não teve dúvidas: resolveu investir no seu sonho. Hoje, poucos anos após a sua demissão, a empresa de doces dela é uma das maiores do interior de São Paulo e região, com projeto de abrir uma filial na capital em 2016.

Acredito que, quando estamos desempregados, a vida nos dá uma oportunidade de procurar nossas reais competências, habilidades e aptidões naturais – aquilo que gostaríamos de fazer de graça, mas que seria o melhor dos mundos se ganhássemos dinheiro com isso!

Se tiver alguma atividade que você sempre gostou, mas não teve oportunidade ou coragem de fazer, o momento de investir nisso é agora!

Em uma época em que há falta de emprego no mercado e crise generalizada, buscar alternativas dentro da nossa realidade e do nosso modo de ser me parece, inclusive, ser uma alternativa mais coerente com o que a sociedade de fato necessita e espera de nós!

Portanto, este é o momento de dar a volta por cima e vencer as crenças que te acomodam (e depois incomodam!), como o conforto e a “falsa estabilidade” que o emprego fixo propicia.

É claro que não será uma tarefa muito fácil, pois, para atingir novos objetivos são necessárias muitas e muitas horas de trabalho e dedicação. Na maioria das vezes, trabalha-se muito mais quando você é seu próprio patrão do que quando se é contratado por alguma empresa.

 

image2

O importante é ter foco, coragem e gastar energia nesse período de crise em benefício próprio, além de começar a jornada com os ingredientes certos: simplicidade, humildade e persistência.

Um dia, todos nós passaremos por algum fracasso ou experiências negativas. Cabe a nós, depois de cada queda, encontrarmos forças para nos erguer novamente. Como diz Winston Churchill: “é a coragem de continuar que conta.”

A minha amiga encontrou essa coragem para continuar com a sua loja de doces.

De minha parte, a resposta está bem diante de seus olhos, querido leitor: o projeto desse blog era um sonho sempre adiado e agora, um projeto que está caminhando!

Mas uma coisa é certa:  tanto eu, como a minha amiga, temos um longo caminho pela frente…ainda bem!

E você, caro leitor, o que está fazendo para vencer esta crise?

E, mais importante: o que esta crise está tentando te ensinar? Qual crença precisa ser eliminada?

 

Comentários

comments

4 Comments on “Nosso momento difícil – Tatá Vianna

Luiza
15 de outubro de 2015 em 05:45

Nossa! Simplicidade e perseverança. Olhar um pouco mais pra dentro de si e descobrir-se no mundo. Com humildade para estar sempre aprendendo.
Imagino que muitas pessoas estejam precisando dessa força. Obrigada.

Responder
odespertador
21 de outubro de 2015 em 12:52

Eu que agradeço Luiza :) Obrigada pelo comentário e por acompanhar o blog.

Responder
marina Leoni
25 de outubro de 2015 em 12:28

Adoro vc Tatá realmente esta no lugar certo na hora certa, aproveite este seu talento que é natural de vc.bj

Responder
odespertador
27 de outubro de 2015 em 10:30

Oi Marina, muito obrigada pelas palavras.
Fico feliz em saber que estamos agradando :)
Beijo

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *