Close

27 de abril de 2016

Soberba: Liberte-se! – Tatá Vianna

tilt

“Não se encha de ar: senão basta uma alfinetada para estourar.”

                                                                            – Friedrich Nietzsche

Você já parou para pensar que a soberba pode estar dentro de nós, mas que nem sempre tomamos consciência disso?

Ela pode ser encontrada em toda a nossa história – da Antiguidade até os dias atuais – e é um dos comportamentos humanos mais perigosos.

A soberba tem o poder de derrubar qualquer pessoa, independente de quem seja.

Ela pode ser entendida como a “sabedoria do ego” (ou quando ego assume o papel de “senhor da razão”).

Repare em quantas vezes por dia pronunciamos a palavra “eu”. “Eu quero”; “Eu prefiro”; “Eu acho”.

Sempre “eu, “eu”, “eu”.

A soberba é definida como uma forma de arrogância, altivez, orgulho, vaidade, prepotência, presunção e um senso exagerado da própria importância.

A pessoa soberba se julga superior aos outros. É do tipo que se acha perfeita em tudo que faz, não aceita críticas, podendo ficar estagnada e iludida na falsa posição de superioridade.

Essas atitudes acabam por prejudicar não somente as pessoas que as adotam no seu dia-a-dia, mas também a todos que as rodeiam. Infelizmente, não são todos que possuem a maturidade e recursos o suficiente para se defender dos “ataques” do soberbo!

Podemos encontrar pessoas com essas características no ambiente profissional, familiar e em vários outros ambientes de convívio social.

A Bíblia diz: “A Soberba precede a ruína, e a altivez a queda.” (Provérbios 16:18).

Ou seja, todas as pessoas que agem de acordo com a soberba estão destinadas ao fracasso, solidão e à queda.

Lentamente, estão cavando a sua própria ruína.

A soberba é um pecado que pode acabar com muitos relacionamentos pois, aos poucos, ela vai destruindo a cumplicidade e o amor entre as pessoas, comprometendo a admiração mútua e a percepção das características positivas. O “espírito de equipe” vai se esvaindo…

O soberbo é arrogante e dificilmente reconhece que errou, sente dificuldade em pedir desculpa e, para ele, quem está errado é sempre o outro.

Já no ambiente de trabalho, podemos identificar à soberba naquelas pessoas e líderes que tem a necessidade de ser visto, de aparecer.  Possuem uma imagem inflada de si mesmo e, geralmente, querem ter sempre razão e destaque nos projetos que realizam em equipe.

É o tipo de líder que não cria um bom ambiente de trabalho e raramente ouve a voz do grupo que lidera, pois é autoconfiante. Ele pensa que sabe mais que todo mundo, passa por cima das opiniões da equipe, e essa falta de humildade do “líder soberbo” acaba gerando desmotivação e improdutividade dos seus subordinados, pois ele transfere a importância do time para si mesmo.

Podemos citar, como exemplo, gestores que tomam decisões cruciais por motivo de orgulho pessoal, podendo prejudicar as metas da empresa e trazer resultados desastrosos a longo prazo.

soberba trabalho

O filme Titanic ilustra bem esse comportamento: quem não se lembra da afirmação do dono do navio quando ele diz que  “Nem Deus afundaria esse navio”.

Podemos nos recordar também de um episódio recente da nossa jovem democracia, na famosa afirmação feita por Tancredo Neves: “Nem Deus me impedirá de assumir a Presidência”.

O triste final dessas histórias, todos nós sabemos.

De nossos líderes atuais (em praticamente todas as esferas de poder), temos assistido, quase que diariamente, o não reconhecimento de algumas falhas administrativas somadas a uma completa falta de humildade diante das enormes dificuldades que enfrentamos.

Mas não encontramos a soberba somente nos altos cargos ou na política.

Podemos nos deparar com esse “pecado” em forma de elitismo, corporativismo, em todos os tipos de racismo e em grupos que se firmam na crença de que são superiores.

Se tem uma fábula que ilustra bem esse tema e que eu gosto muito, é a da Galinha dos ovos de ouro.

Uma certa velhinha tinha uma galinha que lhe botava ovos de ouro; apesar de raros (poucos), davam-lhe para viver em abastança. Um seu afilhado continuamente lhe dizia: “Como pode minha madrinha esperar sempre pelos ovos desta galinha? Se põe ovos de ouro é bem provável que seja toda de ouro por dentro; vamos mata-la”. A velhinha brigou, brigou, mas por fim, dissuadida, cedeu. Morta a galinha, era por dentro normal como todas as galinhas”.

soberba galinha1

A lição que a fábula nos ensina é que o excesso de vaidade e de ambição, pode nos levar a tomar uma atitude precipitada e, na maioria das vezes, quem tudo quer tudo perde.

A realidade faz a pessoa levar um grande choque quando cai em si.

E é na virtude da humildade que encontramos o remédio contra a soberba.

Mas por que é tão difícil a prática da humildade?

Infelizmente, para muitas pessoas, a palavra humildade está associada à pobreza, fraqueza e inferioridade.

O termo humildade vem de húmus, palavra de origem latina que quer dizer “terra fértil”, rica em nutrientes e preparada para receber a semente. Assim, uma pessoa humilde é aquela que está sempre disposta a aprender e deixar brotar em seu coração a boa semente.

As pessoas humildes tem consciência do seu valor, e suas principais características são gentileza, simplicidade, respeito, sensibilidade e autoconhecimento.

São pessoas que reconhecem os próprios erros, defeitos e limitações.

Ressaltam suas pequenas conquistas ao longo do dia, se colocam no lugar do outro, não sentem a necessidade de expor a todos e a todo o momento as suas qualidades, pois possuem total consciência do seu valor pessoal e principalmente, autoconhecimento.

Elas sabem que reconhecer um erro é sinal de coragem e não de fracasso: um ato que as engrandece e as torna pessoas melhores.

Repare nas pessoas sábias que você conhece e/ou admira. 

Em todas elas a humildade está presente, pois sabedoria e humildade caminham juntas. Ou seja, viver de maneira humilde é o jeito mais sábio de todos, pois a humildade nos prepara para enfrentar os altos e baixos da vida e nos ensina que ninguém é melhor do que ninguém.

Reconhecer nossos próprios erros é olharmos para nós mesmos e assumirmos que somos imperfeitos.

Tarefa difícil, eu sei, mas é o primeiro passo para enxergarmos nossos defeitos!

Então, eu te pergunto querido leitor: Qual caminho você tem seguido?

Você está mais para a velhinha que, presumindo que sua galinha fosse toda de ouro matou a sua principal fonte de renda ou para o sábio, que encontrou na humildade a chave para abrir a porta para a sua felicidade?

Lembre-se: A humildade é a mais nobre de todas as virtudes, pois somente ela prepara o seu portador para a real sabedoria. Exercita-la é um dos caminhos mais certeiros para encontrarmos a tão desejada paz!

 

 

 

 

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *