Close

2 de setembro de 2015

Você combate os “amigos” indesejáveis? – Tatá Vianna

você combate - foto destaque

“A mudança não é algo que devemos temer. Pelo contrário, é algo que devemos saudar. Pois, sem a mudança, nada neste mundo jamais iria crescer ou florir, e ninguém neste mundo jamais iria avançar para se tornar a pessoa que está destinada a ser”

                                                                                                (BKS Iyengar)

 

Em 2015, o jornalista Ricardo Boechat revelou à imprensa ter sofrido um “surto depressivo agudo”, minutos antes de entrar no ar com o programa que apresenta na rádio Bandnews FM. Após ir ao médico, foi diagnosticado com “depressão por exaustão”. Como o próprio Boechat declarou: “A experiência mostra que, se não reservarmos um tempo para nos sentirmos bem, sem dúvida depois teremos que dispender tempo passando mal. E foi o que aconteceu”.

Há alguns anos atrás, a minha médica me recomendou a prática de Yôga para combater o stress, a insônia, ajudar no meu emagrecimento e na minha flexibilidade. Nessa época, eu sofria de fortes crises de insônia, vivia com o corpo travado e frequentemente mal humorada, tudo por conta do meu agitado cotidiano.

Confesso que, na hora que ouvi isso dela, pensei imediatamente: “Não tenho essa paciência toda. As pessoas que praticam Yôga são muito “zen”, só meditam, e eu sou ligada no 220 volts. Não vou conseguir me concentrar e me adaptar”. Mas a minha médica me incentivou a, pelo menos, pensar na possibilidade de fazer uma aula experimental, só para entender o processo.

E parece que, quando você precisa fazer ou mudar algo na sua vida, o universo conspira a favor! Na mesma semana, uma amiga minha do trabalho e praticante de Yôga, me presenteou com um livro sobre os benefícios desta prática para a nossa vida e me disse: “Acho que você deve ler e começar a praticar, vai te fazer bem!”

O problema é que eu sempre fui, como a maioria das pessoas, um pouco resistente a mudanças de hábito.

Com essa vida corrida que levamos, nos acostumamos aos “amigos” indesejáveis do dia a dia: ansiedade, stress, insegurança e insônia.

Por conta dessa repetição de padrão, nosso corpo liga o modo “piloto automático” e esquecemos que podemos mudar o jogo, que podemos, sim, ser mais determinados, alegres e menos estressados. Trata-se de uma questão de cultivar bons hábitos.

E, pensando assim, lá fui eu fazer uma aula experimental de SwáSthya Yôga (nome difícil, né?!) e confesso que me encantei rapidamente pela prática.

SwáSthya Yôga é o nome da sistematização do Yôga Antigo e significa: auto-suficiência, saúde, bem-estar, conforto e satisfação.

você combate - foto 1

 

Mas por que o SwáSthya Yôga?

Como já dito no começo, eu resolvi praticar por recomendações médicas, para aprender a trabalhar conjuntamente a mente, o corpo e as emoções. Através de uma combinação única de movimentos fortes e fluidos acoplados a uma respiração dinâmica, os praticantes aprendem a respirar corretamente, se concentrar, meditar, além de queimar calorias.

Como praticante dessa modalidade, posso garantir que na primeira aula você já sente os benefícios e que ela não tem absolutamente nada a ver com a aula “zen” que eu imaginava.

Pelo fato de permanecermos alguns minutos em cada posição durante a prática, é habitual o corpo querer que voltemos ao nosso estado antigo, pois no começo é normal sentir certo desconforto. É nessa hora que começamos a ouvir aquela voz dentro de nós que grita:

“Por que você não desiste? Isso é muito difícil! Você não vai conseguir! Não vale a pena sentir essa dor”!

Inicia-se então, um conflito: o nosso consciente querendo uma coisa e o nosso inconsciente outra! A melhor maneira de desbloquear estas “vozinhas” do inconsciente é reprogramá-lo para o que queremos. É um processo longo e desafiador, mas que vale a pena!

E quais os benefícios que esta prática oferece?

Por se tratar de uma filosofia de vida, o principal benefício, na minha opinião, é o autoconhecimento. Posso dizer que, depois que passei a frequentar as aulas com disciplina (que eu não tinha em outras atividades), minha vida melhorou e muito!

Aprendi a controlar a minha ansiedade e o stress através de respirações calmas e profundas, o que tem me ajudado e muito nas soluções dos problemas encontrados ao longo do dia. É claro que não foi só isso: eu também desenvolvi minha consciência corporal – meu corpo está nitidamente mais firme e flexível – e aprendi a meditar, o que fez com que minha insônia diminuísse.

Além disso, ela me fez perceber que não posso desistir dos meus sonhos nos primeiros obstáculos, que tenho que ser persistente naquilo que eu quero e acredito! Aos poucos, percebe-se a analogia entre uma aula de Yôga e a própria vida!

A prática pode funcionar como um calmante para as pessoas que sofrem de depressão, ansiedade e insônia, pois ela nos proporciona equilíbrio emocional. Também melhora a postura, diminui dores nas costas, fortalece o organismo e energiza o corpo e a mente.

você combate foto 2

 

Por conta da vida corrida que levamos, é importante prestarmos atenção aos pequenos sinais que o nosso corpo transmite ao longo do dia.

E qual a melhor maneira de percebê-los? Reservando um espaço, na sua agenda tão corrida, para alguma atividade física que estimule a observação do seu corpo, a contemplação e a respiração. Senão ele (o corpo) permanecerá lá, esquecido e, infelizmente, sofrendo silenciosamente.

Eu encontrei isso no SwáSthya Yôga, mas você pode encontrar na corrida, caminhada, meditação, pilates, artes marciais, dança… O importante é você reservar um tempinho do seu dia, apenas para você, seu corpo e sua mente.

Pronto para esse desafio de alcançar o equilíbrio entre corpo, mente e emoções, caro leitor? Ou você está mais confortável com os “amiguinhos” indesejáveis que pode estar carregando todos os dias em sua bagagem? Cuidado, uma hora eles começam a pesar!

Espero que, como alertou Boechat, você encontre este tempo para passar bem, assim como eu encontrei!

PS:

Gostaria de agradecer a minha  professora de SwáSthya Yôga Larissa Luna, por  a cada aula, me encorajar a superar cada vez mais os meu limites e ter colaborado para a elaboração deste texto.

Contato Larissa Luna: larissa.luna@metododerose.org

Comentários

comments

4 Comments on “Você combate os “amigos” indesejáveis? – Tatá Vianna

Yara
6 de setembro de 2015 em 11:08

Adorei o blog Tatá,e o texto é inspirador!!!!
Parabéns!
Bjs

Responder
odespertador
16 de setembro de 2015 em 18:58

Obrigada! Fico muito feliz que tenha gostado :) Bjos

Responder
odespertador
4 de setembro de 2015 em 10:52

Obrigada Pati :)
Fico feliz que tenha gostado e te motivado.
Bjos.

Responder
odespertador
2 de setembro de 2015 em 17:01

Oi Luiza, obrigada!
Fico muito feliz que tenha gostado do texto :)
Fique a vontade para compartilhar com seus amigos.
E continue nos seguindo…
Bjos

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *